O Rei Negro

Padrão

” Zumbi, comandante guerrreiro
Ogunhê, ferreiro-mor, capitão
Da capitania da minha cabeça
Mandai a alforria pro meu coração

(…) Brasil, meu Brasil brasileiro
Meu grande terreiro, meu berço nação
Zumbi protetor, guardião padroeiro
Mandai a alforria pro meu coração”

A felicidade guerreira, Waly Salomão e Gilberto Gil

A vida de Zumbi, o rei do quilombo dos Palmares, é pouco conhecida e envolta em mitos e discussões. Descendente de guerreiros imbamgalas ou jagas, de Angola, Zumbi nasceu provalvelmente no início de 1655, numa das aldeias do quilombo de Palmares.

O Quilombo dos Palmares foi fundado no ano de 1597, por cerca de 40 escravos foragidos de um engenho situado em terras pernambucanas. Em pouco tempo, a organização dos fundadores fez com que o quilombo se tornasse uma verdadeira cidade. Com a chegada de mais e mais pessoas, inclusive índios e brancos foragidos, formaram-se os mocambos, que funcionavam como vilas. O mocambo do macaco, localizado na Serra da Barriga, era a sede administrativa do povo quilombola. Um negro chamado Ganga Zumba foi o primeiro rei do Quilombo dos Palmares.
Alguns anos após a sua fundação, o Quilombo dos Palmares foi invadido por uma expedição bandeirante. Muitos habitantes, inclusive crianças, foram degolados. Um recém-nascido, sobrinho do rei do Quilombo, foi levado pelos invasores e entregue como presente a Antônio Melo, um padre da vila de Recife.
O menino, batizado pelo padre com o nome de Francisco, foi criado e educado pelo religioso, que lhe ensinou a ler e escrever, além de lhe dar noções de latim, e o iniciar no estudo da Bíblia. Aos dez anos tornou-o seu coroinha e o elogiava dizendo que o menino era dono de “um engenho jamais imaginado na sua raça e que bem poucas vezes encontrara em brancos”.

Apesar do carinho que sentia pelo seu pai adotivo, Francisco não se conformava em ser tratado de forma diferente por causa de sua cor. E sofria muito vendo seus irmãos de raça sendo humilhados e mortos nos engenhos e praças públicas. Por isso, quando completou 15 anos, o franzino Francisco fugiu e foi em busca do seu lugar de origem, o Quilombo dos Palmares.
Após caminhar cerca de 132 quilômetros, o garoto chegou à Serra da Barriga. Como era de costume nos quilombos, recebeu uma família e um novo nome. Agora, Francisco era Zumbi. Com os conhecimentos repassados pelo padre, Zumbi logo superou seus irmãos em inteligência e coragem. Aos 17 anos tornou-se um grande guerreiro e estrategista militar na luta para defender Palmares contra os soldados portugueses. Foi ferido com um tiro na perna, em 1676, em um combate contra as tropas de Manuel Lopes Galvão.
Em 1678, após o acordo de paz assinado por Ganga-Zumba, Zumbi assumiu o posto de rei e levou a luta pela liberdade até o final de seus dias. Subordinou toda a vida do quilombo em função das exigências da guerra: deslocou povoações para locais mais remotos; incorporou e treinou para a luta todos os homens válidos ; aumentou os postos de vigilância e observação; reuniu armas e munições e reforçou as fortificações da aldeia do Macaco ou Cerco Real, o quartel-general do quilombo, tornou-a quase inexpugnável e decretou a lei marcial: quem tentasse deserdar seria morto.
Durante os anos de 1680 a 1691, Zumbi conseguiu derrotar todas as expedições enviadas contra o quilombo dos Palmares.
Em 1692, a aldeia do Macaco foi atacada por Domingos Jorge Velho que teve suas tropas arrasadas. O quilombo ficou sitiado, mas só capitulou no dia 6 de fevereiro de 1694, quando o exército português, bastante reforçado, conseguiu invadir o local derrotando os quilombolas. Zumbi fugiu junto a outros sobreviventes do massacre para a Serra de Dois Irmãos, então terra de Pernambuco. Só reapareceu em 1695, atacando algumas povoações em Pernambuco.
Contudo, em 20 de novembro de 1695 Zumbi foi traído por um de seus principais comandantes, Antônio Soares, que trocou sua liberdade pela revelação do esconderijo. Zumbi foi então torturado e capturado. Jorge Velho matou o rei Zumbi e o decapitou, levando sua cabeça até a praça do Carmo, na cidade de Recife, onde ficou exposta por anos seguidos até sua completa decomposição.
Não se sabe com certeza o significado etimológico e histórcio do nome do rei de Palmares. Há na mitologia religiosa africana uma divindade suprema chamada Nzambi (Nyambi, Nyame), assim como existe também o termo Zombi (nzumbi) que em Angola significa defunto . Alguns cronistas também falam que significaria “deus da guerra “ ou até “morto-vivo”. Não existe, no entanto, uma comprovação definitiva sobre a origem da adoção do nome. “Deus da Guerra”, “Fantasma Imortal” ou “Morto Vivo”. Seja qual for a tradução correta do nome Zumbi, o seu significado para a história do Brasil e para o movimento negro é praticamente unânime: Zumbi dos Palmares é o maior ícone da resistência negra ao escravismo e de sua luta por liberdade.

Fontes:
Grupo Unificado:
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s