Afinal, o que acontece com a economia brasileira? Por um leigo

Padrão

Ueslei Marcelino / Reuters

Um país talhado para ser um dos “grandes”. Economia emergente, com mão de obra em abundância e vastos  recursos naturais. Esta é a melhor definição do Brasil. Mas… Por quê o país não deslancha?

A “marolinha” financeira, que deixou em pânico a Zona do Euro e os Estados Unidos, afetou também a economia brasileira. A prova disso é a mais nova manobra macroeconômica adotada pelo Ministério da Fazenda para impulsionar o PIB. A redução do IPI de produtos da linha branca, dos veículos e dos materiais de construção foi prorrogada mais uma vez, em mais um esforço para que a economia brasileira, que até alguns meses atrás considerada como a “joia da coroa”, ou “a salvação da lavoura” internacional, deslanche.

Mas, afinal de contas, o que acontece com a economia tupiniquim? A resposta, já conhecida, difundida, pregada por especialistas, economistas e decorada até por camelôs da Rua 25 de Março, é a ineficiência e a estrutura pesada do nosso país. Uma mistura perigosa de gastos exarcebados da máquina pública, falta de investimentos em infraestrutura, educação e tecnologia, aliado à falta de tato por parte de congressistas e do próprio Governo para a aprovação de leis drásticas que detonem a burocracia e enxuguem a pesada carga tributária brasileira, estimulando a entrada de recursos oriundos de investimentos internacionais. O que gerará emprego e renda para a população e, consequentemente, tributos que custearão os programas e gastos governamentais.

É fácil falar. O problema que a solução para o desentrave econômico brasileiro passa por questões complexas. Uma delas é a redução da máquina pública, intensificando a Reforma do Estado brasileiro, iniciada ainda na administração Collor (para quem não lembra, ou não era nascido, foi durante o mandato do atual Senador alagoano que as privatizações e a abertura econômica começaram). Outro ponto polêmico é a flexibilização das leis trabalhistas, reivindicada pelos empresários há tempos.

Pelo visto, vai faltar pré-sal e gente para promover estas mudanças, vitais para que o país deixe de ser uma eterna promessa. Será que acontecerá antes de eu morrer????

Para saber mais:

Brasil cresce apenas 0,4% no segundo trimestre – Portal Exame

Com economia fraca, governo renova redução de IPI – Estadão.com

Governo Collor – InfoEscola

Um texto sobre Flexibilização das leis trabalhistas no Scribd (interessante)